Notícias

Trabalhando a parte comportamental e terapêutica, programa antitabagismo leva 64% dos participantes a largarem o cigarro

"A minha vida só melhorou. Agora, a comida tem gosto, não tenho mais cansaço. Foram só melhorias", esse relato é de Eliberto Guedes, um, agora, ex-fumante, graças ao programa de combate ao tabagismo desenvolvido em Quixaba através da Secretaria Municipal de Saúde. Eliberto faz parte do segundo grupo de pessoas dispostas a largarem esse vício e que, em maio deste ano, começaram essa árdua – mas nada impossível – tarefa.

O combate ao vício em cigarro no Município é baseado no controle de tabagismo do Ministério da Saúde, através do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), que o tem o objetivo de "reduzir a prevalência de fumantes e a consequente morbimortalidade relacionada ao consumo de derivados de tabaco no país". Dos 21 participantes que iniciaram a luta, 11 chegaram ao terceiro mês da ação, com sete, desses 11, largando o cigarro em definitivo.  

Na tarde dessa segunda-feira (12), houve o encerramento, no auditório da Unidade Básica de Saúde Robson Carneiro, com direito a testemunhos e entrega de certificados e camisetas que simbolizavam essa conquista, da fase medicamentosa desse programa que foi dividido em três fases de reuniões: no primeiro mês, reuniões semanais; no segundo, quinzenais; e no terceiro, que começou no mês passado e vai até maio de 2020, as reuniões serão mensais.

"Hoje, encerra-se a parte medicamentosa e, até completar um ano, quando receberão alta, as reuniões serão mensais, onde haverá, nelas, foco na parte cognitiva para manter o fortalecimento e evitar recaídas", explicou Luciana Monteiro, coordenadora da Atenção Básica.

O secretário de saúde Davi Nunes enalteceu o esforço de cada uma das pessoas que largaram o cigarro de vez, e associou essa conquista a dois fatores: o trabalho desempenhado pela equipe de Saúde de Quixaba e o amor próprio que cada um dos participantes tiveram por si mesmos.

“Ficamos extremamente felizes em parabenizá-los. Isso (vencer o vício) mostra que vocês estão comprometidos com uma melhoria de vida que tem a ver com o amor próprio também. Não é fácil largar o cigarro. Quando alcançamos uma vitória na vida, gostamos de expô-la ao máximo, e espero que vocês façam isso em toda Quixaba, pois neste momento, vocês servem como agentes de divulgação dos benefícios da interrupção desse vício aqui no Município”, elogiou o Secretário.



Como o programa foi trabalhado

Cada paciente, ao longo desses três meses, foi avaliado de forma individual por todos os profissionais da Saúde da Família, utilizando o teste de Fargeström (que avalia o nível de dependência química à nicotina) para assim dar início a terapêutica medicamentosa: adesivos de nicotina e o bupropiona (medicação oral para diminuir a ansiedade).

Paralelamente, os participantes fizeram avaliação da saúde bucal, de enfermagem, médica e trabalhos junto ao NASF, onde, de acordo com suas necessidades, foram submetidos a tratamentos específicos, e, além do mais, ainda tiveram (também conforme a necessidade de cada um) ofertas de próteses odontológicas, exames sanguíneos e laboratoriais, raios X e eletrocardiograma.

« Voltar