Quixaba sedia reunião do Orçamento Democrático

Quixaba sediou na tarde dessa quarta-feira, 23 de maio, na Câmara de Vereadores do Município, a reunião do Conselho Regional do Orçamento Democrático da 6ª Região, que abrange Patos e municípios circunvizinhos, entre eles Quixaba.

As audiências públicas do Orçamento Democrático Estadual (ODE) têm o objetivo, na sua definição, “de reunir as populações das regiões para dialogar sobre as prioridades de investimentos do Governo do Estado, onde as pessoas poderão eleger as três prioridades de investimentos para as suas respectivas regiões, além de indicarem quais obras, ações e serviços que gostariam que fossem implantados ou melhorados em suas comunidades”.

E essa reunião, que acontece a cada dois meses, teve, justamente, o intuito de tratar a sistematização, onde cinco demandas escolhidas, oriundas de três eixos (saúde, educação e infraestrutura), serão levadas à etapa estadual do ODE (com data a ser definida; provavelmente após as eleições), em que serão analisadas e discutidas entres os três conselheiros regionais e os secretários estaduais das respectivas pastas dos eixos, e incluídas, consequentemente, na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e na Lei Orçamentária Anual (LOA), para serem deliberadas para execução junto ao Governo do Estado da Paraíba.

O Governo do Estado foi representado por membros da Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento, Gestão e Finanças, que coordena o ODE. Cláudia Macário, prefeita de Quixaba, esteve entre as representantes do município de Quixaba, e parabenizou a ação voluntária dos representantes dos municípios das redondezas em participarem da reunião e contribuírem para o progresso municipal.

“Que bom que temos cidadãos que se preocupam voluntariamente com o bem-estar das suas cidades. Ninguém melhor do que o cidadão para identificar as necessidades reais do seu município. A população é quem filtra o que realmente é necessário, assim, os pedidos chegam de maneira correta ao Governador que, por sua vez, tem dado a oportunidade de o cidadão falar”, destacou Cláudia.

« Voltar