Da Pimenta ao Brega: Quixaba chega aos seus 54 anos

Quixaba e sua população estão de parabéns. Neste domingo, a cidade chega aos seus 54 anos de existência na condição de Município. Da cultura da pimenta ao ritmo do Brega, o crescimento de Quixaba se confunde com sua história política e seus políticos históricos. E como conhecimento nunca é demais, no aniversário de Quixaba, nada melhor do que conhecer um pouco mais sobre a história do Município.

 

ORIGEM DO NOME

A história mostra duas versões sobre a origem do nome da cidade: a primeira diz que o nome da cidade é oriundo do tupi qüessaba, que significa "lugar de dormir, rede, o pouso", enquanto a segunda versão conta que o nome da cidade se originou de uma planta chamada Quixabeira, que existia em grande quantidade na região.

 

PRIMEIROS HABITANTES

Os primeiros habitantes do município foram os membros das famílias Ferro, Candeia e Pereira, cujas fazendas Quixaba Velha e Quixaba, pertencentes aos senhores Manoel Pereira e Manoel José de Maria, deram origem ao atual município no início do século passado.

 

QUANDO VIROU MUNICÍPIO

Quixaba pertencia ao município de Cacimba de Areia, mas, em 1964, o então deputado Dr. José Afonso Gayoso elaborou um projeto de lei (lei nº 3.170) que fez com que Quixaba fosse elevada à categoria de Município em 06 de maio do referido ano. O governador na época era Pedro Moreno Gondim.

 

LOCALIZAÇÃO, CLIMA E VEGETAÇÃO

Quixaba fica localizada na região geográfica natural do Estado da Paraíba, no baixo sertão do Piranhas e na microrregião da depressão do Alto Piranhas, a 292 km de João Pessoa, com uma área de 156,683 Km², ocupando o 131° lugar no Estado em extensão territorial. Em levantamento feito em 2017 pelo o IBGE, sua população é estimada em 1.964 habitantes. Os limites do município de Quixaba são: ao norte, São Mamede; ao sul, Cacimba de Areia; ao leste, Passagem; a oeste, Patos. O clima predominante é quente e seco, e durante a maior parte do ano enfrenta estiagens, com uma vegetação local constituída, basicamente, de plantas de baixo porte.

 

ECONOMIA

A economia da cidade depende, em grande parte, do repasse de verbas públicas como o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), mas é apoiada, também, na agricultura de subsistência, na criação de pequenos rebanhos e no pequeno comércio. De acordo com o IBGE, Quixaba saltou, de 2012 a 2015, quatro posições no ranking do “PIB a preços correntes” no estado da Paraíba (de R$ 11,130 milhões para R$ 18,108 milhões), enquanto a nível de Nordeste, nesse mesmo período, saltou seis. O “PIB per capita” (valor do PIB dividido pela população) é de R$ 9.525,73, fazendo com que a cidade ocupe a 42ª posição entre os 223 municípios do estado paraibano.

 

PADROEIRO

São Francisco de Assis é o padroeiro da cidade, que é adepta, em sua maioria, à religião católica. As missas são realizadas todos os domingos na igreja que leva o nome do santo padroeiro, que tem seu dia comemorado em 04 de outubro, onde são realizadas quermesses e montado pavilhão para o dia festivo.

 

FESTEJOS E EVENTOS

Seu principal festejo é o Quixabrega, evento voltado para a música Brega, que já teve os grandes nomes do gênero no país na terrinha, incluindo o saudoso Reginaldo Rossi.

Datas comemorativas tradicionais, como o desfile cívico do 7 de setembro, dia das mães, dia das crianças, festa de ano novo entre outros, compõem o calendário municipal de celebrações.

Os torneios futebolísticos Torneio Início e Copa União são realizados anualmente, e já viraram uma tradição no Município.

 

HISTÓRIA POLÍTICA DE QUIXABA

Enquanto não foram realizadas as primeiras eleições na cidade de Quixaba, já que a emancipação política só aconteceu em 1964, o poder executivo do município foi exercido, pela primeira vez, por Antônio Félix de Mendonça, nomeado pelo então governador Pedro Gondim, ficando como prefeito de 1964 a 1966.

O primeiro pleito foi realizado apenas dois anos depois, no dia 15 de agosto de 1966, data designada pelo Tribunal Regional Eleitoral para as eleições municipais, quando foram eleitos Alcides Candeia para prefeito e Eduardo Pereira da Silva (Dadá Pereira) como vice-prefeito, que após quatro meses assumiu o poder executivo municipal com a renúncia de Alcides Candeia. Dadá Pereira exerceu mandato de 1966 a 1968.

O segundo prefeito eleito foi Edmilson Pereira de Lima, que governou de 1969 a 1972.

Pedro Candeia de Lima governou de 1973 a 1976, e foi o terceiro prefeito do Município de Quixaba.

Em seguida, Edmilson Pereira de Lima é eleito pela segunda vez, e exerce o seu segundo mandato por seis anos, indo de 1977 a 1982. Foi o quarto eleito por meio de pleito.

O quinto prefeito foi novamente Alcides Candeia Pereira, eleito pela segunda vez. Governou de 1983 a 1988.

O chefe do poder executivo de número seis, eleito através de um pleito, foi Dadá Pereira, que assumiu em 1966 após renúncia de Dr. Alcides, e teve o seu segundo mandato de 1989 a 1992.

Logo depois, quem assumiu foi Laerte Candeia Anastácio (Totó Candeia), chefe do executivo de 1993 a 1996.

João Marcos da Silva, conhecido como "João Vaqueiro", governou logo após Totó Candeia, de 1997 até o ano de 2000.

Por dois mandatos seguidos, o primeiro de 2001 a 2004, e o segundo de 2005 a 2008, quem governou o município foi Marli Candeia da Silva, a primeira prefeita de Quixaba.

Assim como Marli Candeia, Júlio Cesar de Medeiros Batista também assumiu o município de Quixaba por oito anos: primeiro mandato entre 2009 e 2012, e o segundo entre 2013 e 2016.

Na sua 13ª eleição municipal, em 2016, Quixaba elegeu sua segunda mulher como chefe do executivo na história, Cláudia Macário, tendo Miguel Arcanjo como vice. O mandato da segunda prefeita de Quixaba será de 2017 a 2020.

 

***

 

Nesse pouco mais de meio século de vida como Município, seja através da sua gente, dos seus políticos, Quixaba cresce dia após dia. Da sua maneira, com a pimenta, com o Brega, com a bola. Com as conversas nas calçadas e nas praças. No forró do poço, na escalada em Picotes, no banho de açude. Na missa, no culto, sob a bênção de Frei Damião. No campo, na cidade. Sem nunca perder sua essência. Parabéns, Quixaba. Parabéns, quixabenses.

« Voltar